Buscar, Doar e Ser

Self-ish A vida espiritual pode ser dividida em três fases: buscar ou adquirir, doar ou expressar, e ser. Cada uma destas três fases tem qualidades e características próprias, e cada uma é igualmente importante e necessária. Elas não são lineares, mas sim um ciclo que se move de uma para a outra e vice-versa.

A primeira etapa da busca é um período de busca da verdade e de tentativa de chegar lá. É o período de maior atividade e de uma maior sensação da existência de uma identidade que faz a busca. É nisto que a maioria do mundo está envolvida, embora a maioria das pessoas esteja procurando ou adquirindo riqueza, fama e outras coisas que o ego quer. Mas, subjacente a estas atividades há um impulso profundo a fim de encontrar o amor, a paz e a felicidade. O ego, erroneamente, pensa que dinheiro ou fama vão dar-lhe paz, amor e felicidade.

Eventualmente, o indivíduo descobre que essas atividades ego-motivadas realmente não o satisfazem, por isso a busca torna-se mais sutil e direta. Por fim acabamos por buscar a paz e o amor em si mesmos, e não algo que vá nos trazer paz ou amor.

Red Clay SanghaA segunda etapa, dar ou expressar, é o que acontece naturalmente quando começamos a encontrar o verdadeiro amor e a verdadeira felicidade. É uma alegria encontrar as verdadeiras fontes de satisfação e realização e desta forma nos inspiramos a partilhar amor e alegria com os outros e a expressá-los em tudo que fazemos. Esta fase é ainda uma fase de fazer, mas há sensação menor da existência de um eu individual, uma identidade, que está fazendo isso. Parece mais que estamos sendo movidos pelo amor e alegria que flui através de nós.

A terceira etapa, Ser, é na verdade um movimento para além da dualidade das duas primeiras etapas indo em direção a um lugar de plenitude e perfeição tão completas que não há mais necessidade ou impulso de fazer qualquer coisa. Há um simples reconhecimento de que você já é tudo, assim como todos os outros também o são. Então, qual é a necessidade de buscar ou encontrar, dar ou expressar? Tudo já está realizado para além de qualquer possibilidade de melhoria ou ganho. Exteriormente, este é um momento de muito pouco a fazer além de cuidar das necessidades básicas da vida. Não há motivação para fazer qualquer coisa porque aquilo vai lhe adicionar ou fornecer algo, então para a maioria das pessoas, na maioria do tempo, basta apenas descansar e ser.

A primeira coisa que tendemos a fazer quando ouvimos sobre esses estágios é tentar aplicá-los como uma receita para a nossa vida espiritual. Tentamos fazer as ações do segundo e, especialmente, do terceiro estágios, como forma de chegar lá. E, no entanto, estes estágios não são uma receita, mas simplesmente uma descrição do fases ou ciclos de nossa vida espiritual. Eles são uma descrição de como a Essência, ou Ser, move-se neste mundo da forma. Na verdade, tentar chegar ao segundo ou terceiro estágio é realmente uma expressão do primeiro estágio. É tentar alcançar ou adquirir uma profundidade espiritual.

Em vez disso, podemos simplesmente estar curiosos sobre como essas etapas se descobram em nossa vida. Todas elas são aspectos necessários da vida espiritual, e uma não é melhor que o outra. Cada fase pode naturalmente acompanhar as outras em um ciclo interminável de movimento a partir da pura existência para a criação, atividade, e de volta para a pura existência e assim por diante.

Não é incomum enfatizar uma dessas etapas ou tornar-se preso ou ligado a qualquer ponto nesse ciclo. A maioria de nós já experimentou ficar preso na primeira fase e estar muito apegado na realização e aquisição de mais felicidade e mais realização espiritual. No processo de buscar isso é que muitas vezes nos apegamos à atividade de busca em si mesma, porque ela nos dá uma sensação de missão e propósito. Ser um buscador espiritual é uma coisa muito dramática e inspiradora.

Da mesma forma, podemos nos tornar presos na segunda fase, na identidade de alguém que encontrou a verdade do Despertar e agora está aqui para expressá-la aos outros. A sensação de identidade que vem de ser um professor ou guia espiritual é bastante sedutora. Embora seja natural e gratificante ser um professor ou um guia, uma vez que você descobriu a verdade, não há identidade duradoura para ser encontrada neste papel, e qualquer tentativa de formar uma identidade em torno de ser um mestre espiritual acabará por se tornar uma fonte de sofrimento.

Não se pode realmente falar de ficar preso na terceira fase, já que não é um lugar onde qualquer identidade pode formar-se ou qualquer apego pode acontecer. Há apenas tudo “sendo como é” e nenhum senso de uma identidade separada e que se possa ficar preso.

~That is That Essays About True Nature , Nirmala

Nirmala é um professor espiritual da tradição advaita, vive em Sedona, Arizona, com sua esposa, Gina. Leia uma entrevista com Nirmala aqui. Mais informações sobre ele e seus livros, incluindo That is That, Essays About True Nature estão disponíveis em http://endless-satsang.com/. Os textos de Nirmala no zafu.blog.br estão traduzidos e publicados com autorização do autor.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...